Athletico-PR

Léo Linck exalta o apoio paterno em sua carreira: “Batalhou para que eu chegasse no Athletico”

Publicados

em

A família fornece um apoio muito importante para quem inicia uma trajetória no mundo do futebol. Nos momentos mais complicados, uma palavra de conforto pode ser fundamental. E para além das palavras, atitudes fazem a diferença.

E é por isso que o goleiro Léo Linck, do grupo de Aspirantes do Rubro-Negro, tem uma grande gratidão ao pai Valtinei Vandre Linck.

“Tem pessoas que são muito importantes na minha vida, principalmente meu pai, que fez e faz de tudo para eu estar onde estou. Eu jogo futebol primeiramente porque eu amo, mas também para dar uma vida muito boa para o meu pai, pois sei que ele merece. Esse é o sonho de todo garoto”, disse o jogador, de 20 anos.

Esse reconhecimento ao pai teve início em um acontecimento muito delicado, quando Léo Linck tinha oito anos de idade.

“Era uma sexta-feira, eu estava passando as férias de agosto na casa do meu avô. Foi do nada, minha mãe me abandonou e minha irmã. Isso nos afetou muito. Meu pai chegava do trabalho, trazia as compras e só ficava quieto, não conversava. Eu ouvia minha irmã chorando atrás da porta, pedindo pela minha mãe”, continuou.

A situação evidenciou o amor e a coragem do pai, uniu a família que estava sob o mesmo teto e fortaleceu o ainda pequeno goleiro para as batalhas que encontraria no mundo do futebol.

  Furacão chega a Argentina para o desafio contra o Estudiantes

Léo conta que a situação também o aproximou ainda mais da irmã. “Depois disso, eu e ela ficamos muito próximos. Trato ela como se fosse minha filha. O que nós passamos e, principalmente o que ela passou, eu não desejo a ninguém”.

O futebol era a válvula de escape para o garoto, nascido em Marechal Cândido Rondon, mas criado desde bebê em Toledo, na região Oeste do Estado. Foi na escola mesmo que ele se encontrou na posição de goleiro.

“Uma das primeiras coisas que um menino aprende é brincar com bola. Comecei jogando na escola, em brincadeiras. Tentei ser atacante, mas não sabia fazer gol. Depois, virei zagueiro, mas falavam que eu era muito louco, batia muito”, contou, bem-humorado.

Depois de ter assumido a posição de goleiro, passou a jogar em uma escolinha da cidade. Ganhou notoriedade e, durante dois anos, foi observado pelo São Paulo, até que as coisas não deram certo no clube paulista e ele tomou a decisão de não jogar mais. Mas, para um garoto com 13 anos, ainda era uma decisão precipitada. O pai interviu e o confirmou em uma equipe de Foz do Iguaçu.

“Joguei um campeonato pela Craques do Futuro, de Foz do Iguaçu, e um observador do Athletico me viu. Fiz teste no clube e fui aprovado”, explicou.

Desde março de 2015, Léo Linck veste as cores do Furacão. “O meu maior sonho era entrar para um clube, chegar no profissional. O Athletico é um formador de goleiros, a concorrência aqui é muito grande. Meu maior sonho hoje é chegar e me manter no time principal do Athletico”, revelou Léo.

  Furacão faz gol aos 50 minutos do segundo tempo e está nas semifinais da Libertadores

No clube desde o Sub-15, ele passou por outra grande dificuldade, que serviu para que ele pudesse amadurecer.

“Um momento muito marcante no Athletico foi quando fraturei a cabeça do úmero e precisei ficar um tempo afastado. Mudou muito para mim. Antes da lesão, eu era um menino, depois consegui virar um homem, entender mais, perceber que as coisas acontecem”, destacou.

Mas quem trabalha tem sua recompensa. Na última temporada, o goleiro assumiu a condição de titularidade na equipe Sub-20, foi vice-campeão do Brasileirão da categoria e ainda foi convocado para a Seleção Brasileira.

“Para mim, isso foi uma recompensa. Por não desistir mesmo com as dificuldades, por persistir, por ter vontade. Agradeço ao meu pai por ter batalhado para que eu chegasse no Athletico. Chegar na Seleção e ver meu pai chorar de alegria por algo que eu conquistei, é algo que vou levar para sempre”, afirmou.

“Estar no Athletico já representa muito, é um dos maiores do Brasil. Nos momentos mais difíceis, o clube não desistiu de mim. Só tenho gratidão”, finalizou Léo Linck.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Athletico-PR

Furacão faz gol aos 50 minutos do segundo tempo e está nas semifinais da Libertadores

Publicados

em

O Athletico está de volta para a semifinal da Libertadores após 17 anos. Mesmo com toda a pressão sofrida, o Rubro-Negro derrotou o Estudiantes por 1 a 0 e segue em busca do título inédito. O gol da vitória saiu com o jovem Vitor Roque, que saiu do banco de reservas e marcou nos acréscimos do segundo tempo.

O Furacão adotou uma postura mais conservadora, sofreu com a pressão do Estudiantes, mas contou novamente com a estrela de Vitor Roque. O atacante de 17 anos ganhou a dividida com o goleiro Andújar e se tornou o herói.

Em busca da vaga na final, o Furacão tem confronto brasileiro com o Palmeiras, que eliminou o Atlético-MG nas quartas. A ida acontece no dia 30 de agosto, na Arena da Baixada, em Curitiba, e a volta ocorre em 06 de setembro, no Allianz Parque, em São Paulo.

O primeiro tempo foi bastante truncado, mas com as melhores chances para o Estudiantes. Aos seis minutos, Godoy foi acionado em profundidade e cruzou para Castro, que chutou mascado à esquerda do gol. O Athletico só apareceu com perigo aos 16, quando Khellven cobrou falta na área, ninguém desviou a bola e Andújar espalmou de soco.

Na reta final, os argentinos levaram perigo para a defesa rubro-negra em duas oportunidades. Aos 32, Leandro Díaz fez embaixadinha e levantou na segunda trave. Após bate e rebate, Rogel chutou de primeira e a bola passou muito perto. E aos 43, Zuqui cobrou falta, Morel desviou por baixo e Bento espalmou para frente.

  Furacão chega a Argentina para o desafio contra o Estudiantes

O Furacão voltou para o segundo tempo sem mudanças, mas com uma postura diferente. Tomás Cuello, aos seis minutos, pegou a sobra da cobrança de escanteio e chutou perto do gol. Pouco tempo depois, o técnico Felipão mexeu duas vezes no ataque: Vitor Roque e Rômulo entraram nos lugares de Canobbio e Pablo.

As mudanças não impediram o Estudiantes de iniciar uma pressão em cima de defesa rubro-negra. O gol do time argentino até chegou sair aos 17 minutos, com o zagueiro Lollo, que pegou a sobra dentro da área e marcou. Entretanto, o árbitro anulou por impedimento de Morel, que estava na frente de Bento.

Depois do gol anulado, o jogo ficou ainda mais nervoso, mas com o Estudiantes mais próximo da área do Athletico. Os argentinos tiveram mais duas chances de marcar já nos minutos finais. Aos 44, Morel chutou rasteiro e Bento fez difícil defesa. No lance seguinte, Méndez recebeu passe nas costas da defesa, invadiu a área e chutou cruzado. A bola passou raspando na trave.

  Athletico trabalha aspectos técnicos e táticos para o desafio na Argentina

Quando muita gente já imaginava que a partida iria para os pênaltis, o Furacão foi para o ataque e marcou o gol da classificação. Aos 50 minutos, Vitinho recebeu na ponta esquerda e cruzou para o meio da área. Vitor Roque dividiu com o goleiro Andújar e mandou para o fundo da rede. O jogo ficou parado por mais de cinco minutos, mas o VAR confirmou.

FICHA TÉCNICA – ESTUDIANTES 0X1 ATHLETICO

Data, horário e local: quinta-feira (11.08), às 21h30, no estádio Jorge Luis Hirschi, em La Plata.

Estudiantes: Andújar; Godoy (Boselli), Rogel, Morel, Lollo e Mas; Castro, Rodríguez (Paz) e Zuqui; Piatti (Rollheiser) e Díaz (Méndez).

Técnico: Ricardo Zielinski.

 

Athletico: Bento; Khellven, Pedro Henrique, Thiago Heleno e Abner; Hugo Moura, Fernandinho (Erick) e Alex Santana (David Terans); Canobbio (Vitor Roque), Pablo (Rômulo) e Tomás Cuello (Vitinho).

Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Gol: Vitor Roque (CAP), aos 50′ do segundo tempo.

Cartões amarelos: Pedro Henrique, Pablo, Canobbio e Alex Santana (CAP); Díaz, Andújar, Zuqui e Godoy (EST).

Arbitragem: Andrés Matonte (URU), auxiliado por Nicolas Tarán (URU) e Martin Soppi (URU).

O VAR: Andrés Cunha (URU), com assistência de Gustavo Tejera (URU).

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

FLAMENGO

CORINTHIANS

SÃO PAULO

PALMEIRAS

MAIS LIDAS DA SEMANA